Turbante: para além da estética

Data: 03/09/2015

Descrição: A escola cumpre papel decisivo na formação do sujeito social. Desse modo, na perspectiva de uma pedagogia humanista, a Turma 4 do NEI escolheu pesquisar sobre o continente africano - sua história e heranças culturais e sua influência para a cultura brasileira. Despertar a curiosidade das crianças para esse processo de formação cultural ajudou a redescobrir nossas origens. Entre outras atividades em vistas da valorização e o reconhecimento da identidade afro-brasileira, nesta semana foi a vez de aprender sobre turbante e sua relação com essa identidade. Para tanto, recebemos a visita da turbanteira Marília Negra Flor. Formada em Pedagogia e Artes Cênicas pela UFRN, Marília faz oficinas nas escolas para trabalhar a identidade étnico-racial das crianças, ajudando-as a contemplar a diversidade dentro e fora da sala de aula, desconstruindo o racismo e o preconceito estético. “No Brasil todos somos afrodescendentes, seja comida, na música, na dança, nos costumes, no vocabulário ou na moda”, conta Marília para as crianças da Turma 4. Após trazer o significado desse adorno tão especial, a professora nos contemplou com uma maravilhosa oficina de amarração de turbantes.


Voltar